Blog

Post with no breadcrumbs

Estes homens se destacaram pela habilidade de falar em público, por isso, tornaram-se grandes líderes, não por acaso, simplesmente deixaram seus medos de lado e decidiram fazer diferente, encantando multidões com seus discursos memoráveis, além de influenciar o público e ganhando sua confiança.

O medo de falar em público nos aprisiona, por isso, é necessário quebrar paradigmas para que possamos seguir em frente, nos destacando em todas as áreas de nossas vidas – Jonhnnys Silveira.

Uma pequena análise das técnicas usadas pelos grandes oradores que se destacaram na história da humanidade.

Nelson Mandela e a Pausa – discurso que tem a função principal de ditar o ritmo da fala, de forma que você possa intercalar frases curtas e longas e manter a audiência interessada, Além de ajudá-lo a respirar e planejar melhor suas frases, a pausa possibilita que sua audiência respire e assimile melhor cada mensagem. Por isso, não a tema. Três segundos de pausa nunca farão parecer que você teve um “branco”. Até porque sua audiência também está processando seu próprio diálogo interno.

Barack Obama e a Ênfase – Tem a função de realçar palavras-chaves, buscando trazer um sentido e deixar uma marca na mente de quem o ouve. Mas no caso de Barack Obama, o termo “ênfase” ganha um sentido mais amplo, como poderemos perceber no discurso histórico da convenção democrata de 2004, quando o mundo passou a conhecer aquele senador que viria a ser o primeiro presidente norte-americano negro dali a 4 anos, Obama enfatiza histórias pessoais que se conectam com as pessoas, além de enfatizar palavras concretas, que evocam imagens, que nos trazem personagens: o pai, a criança, o idoso, falando de pessoas que convivem diretamente ou indiretamente em sua vida.

Martin Luther King e a Repetição Combinada com a ênfase, deixa aquela que deverá ser a grande marca do discurso, a sua mensagem central. No caso de Obama, o uso repetido de “Eu acredito” no início de frases, transformou essa mensagem no slogan de sua primeira campanha presidencial.

Já Martin Luther King é comumente lembrado pelo “Eu tenho um sonho” que ele usou repetidamente no famoso discurso de 1963 no Lincoln Center. Mas essa foi uma marca registrada sua utilizada em vários discursos, como nesse abaixo, que acabou sendo ainda mais célebre por ter sido seu último: “Eu estive no topo da montanha”.

Steve Jobs e o TreinoSó com treino o apresentador consegue estar com a história na cabeça e, logo, seguro e com confiança diante da audiência. Sabendo disso, Jobs ensaiava por cera de 8 horas antes de cada uma de suas inesquecíveis apresentações de produtos, o treino, para Jobs, visava lapidar, além de sua performance, o próprio roteiro de seu discurso, que ele aprimorava palavra a palavra, com o mesmo rigor que aplicava ao desenvolvimento dos produtos da Apple.

Faça como esses grandes oradores, utilize esses métodos e destaque-se, venha ser um grande lider.

Author: admin

2 Comentários

Deixe uma resposta